Tradutor

domingo, 22 de outubro de 2017

Somos Amor e Valor



“A necessidade de amor e carinho toma nos Tipos 2 muitas formas, porém todas se resumem numa frase de tremendo conteúdo psicológico e de extraordinárias consequências: a necessidade de ser sempre para ou de agir sempre para... e nunca ser ou agir para ou por si mesma (o). Ou seja, a falta de equilíbrio entre dar e receber e a falta de discernimento para saber quando dar, sem querer bancar o onipotente doador (a)”.

“Porém, por trás desta aparente capacidade ilimitada de se dar, os Tipos 2 ocultam um terrível vazio e uma angustiante carência interior.”

Quando um Tipo 2 começa a amar a si mesmo realmente, algo muda. Surge a humildade. Descobre-se que não é preciso atuar ou fazer de conta, que é bom ser autêntico, que se podem ter amigos verdadeiros e amores que não sufocam, que não é preciso parecer desamparado ou “carente” para merecer a atenção dos outros. Descobre-se o que Gurdjieff chamou de o verdadeiro amor-próprio. Incrível, não? Do mesmo modo que o falso amor próprio precisa da constante “inflação do ego” proveniente dos “outros”, ou seja, da constante consideração interna para existir, o verdadeiro amor próprio precisa da constante certeza de poder ser autêntico e de considerar os “outros” como “próximos” com os quais se participa de uma mesma existência.

“Ama teu próximo como a ti mesmo.” Este mandamento só pode ser compreendido quando somos humildes. Quando admitimos que não gostamos ser manipulados, quando admitimos que não gostamos de ser usados, quando admitimos que não devemos ser dependentes demais, quando admitimos que não nos agrada ser reféns de sentimentos abafados, quando admitimos que não nos agradam as pessoas falsas, quando admitimos que não gostamos de alguém que nos usa, quando admitimos que não queremos saber que alguém está de nosso lado apenas porque deseja um resultado ou visa um interesse que ignoramos, quando admitimos que não gostaríamos de saber que alguém nos mente ou engana, quando admitimos que não gostaríamos de saber que alguém nos ajudou ou nos deu algo esperando ter uma boa razão para nos cobrar algo em troca, e assim por diante! “Ama teu próximo Como a Ti Mesmo.” Você se ama? Se a resposta é não, então é difícil compreender a humildade.

(fragmento do livro Eneagrama - um caminho para seu sucesso pessoal e profissional. Khristian Paterhan Condes)
#Eneatipo 2 #Enneagram Coaching 360º

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Não precisa “controlar” tudo e todos sempre...



(...) São grandes realizadores, capazes de iniciar processos de mudanças muito positivos, pelo fato de serem sensíveis a tudo o que apresenta “falhas” e/ou que está “ultrapassado”. Sabem liderar e provocar positivamente as pessoas, direcionando-as com confiança até os objetivos que desejam atingir. São pessoas com um senso de justiça muito apurado e querem que todos se beneficiem com os sucessos que eles venham a obter. (...)

(...) Decidem ter de tudo ao máaaximo! Aqui começa a luxúria: como tudo o ameaça, eles devem ter sempre muito de tudo: muito dinheiro, muito poder, muita segurança, muitos amigos, muito, muito de tudo. Logicamente, esta atitude os fixa na sua agressividade, os cristaliza nos seus excessos e então nada parece contentá-los. Este é um dos aspectos da “máscara” que deverão observar em si mesmos para não se tornarem seus escravos.(...)

(...)“A vida é uma luta constante, só me aparecem desafios, só me meto em coisas complicadas, mas no fundo, até que gosto. Tenho dificuldades de aceitar opiniões contrárias às minhas. Estou sempre numa posição de autodefesa, dificilmente me sinto culpada. Numa discussão, gosto que a minha opinião prevaleça (...) Esta ‘coisa’ é tão forte e incontrolável que se eu não puder dizer o que sinto, parece que vou explodir por dentro (...) Às vezes eu estou tranquila, o monstro adormecido, e logo vem alguém atiçar este monstro e lá vou eu explodindo, dizendo desaforos e às vezes até humilhando, ou tocando com o dedo na ferida dos outros.” “(...) Se por acaso a raiva que sinto é injusta por não haver culpa na pessoa de quem estou sentindo a raiva, eu vou a ela e peço desculpas.” Só que a raiva já se expressou.(...)

Distinguir entre “força” e “agressividade”, e perceber que uma não implica, necessariamente, a outra.


(...) “Simplicidade” é um dos significados da “Inocência”. Na simplicidade, podem descobrir que também existem caminhos suaves, em que se encontram pessoas amigas, em que não se precisa lutar o tempo todo, em que se pode ficar aberto, em que não se precisa “pressionar” nem provocar. Na simplicidade existe a falta de preconceito, tudo fica mais leve e se descobrem “jeitos” de se fazer mais sutis, porém não menos efetivos. A simplicidade no gesto e na palavra diminui e esgota a agressividade. A inocência permite que a vida se mostre mais leve. Não se precisa “controlar” tudo e todos sempre, porque “a inocência confia”. Pode-se confiar, não existem riscos sempre, e nem sempre existem “armadilhas”. A simplicidade da inocência implica estar “contente”: é sentir-se satisfeito. Na satisfação não existe excesso, nem pode haver luxúria porque “contentar-se” também significa “tranquilizar-se” e “limitar-se”.(...)

(fragmento do livro Eneagrama - um caminho para seu sucesso pessoal e profissional. Khristian Paterhan Condes)
#Enneagram Coaching 360º

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Não há um único caminho certo...


(...) Você declara, com falsa certeza, que só existe um caminho certo e nenhum mais, e quando não consegue impor este “único caminho certo”, quando não consegue realizá-lo, interna ou externamente, a raiva, às vezes impedida de se manifestar, se disfarça numa espécie de raiva justa, ou seja, uma raiva racionalizada, por não ter conseguido realizar da única maneira que se acredita possível o supostamente “perfeito”.

Você poderá perceber que esta máscara, na realidade, o está limitando, porque você limitou a realidade a um espaço tão reduzido que corre o risco de não poder conhecer outros aspectos dessa Única Realidade de milhares de faces e nuances e de milhares de paradoxos. O mundo, para você, é tão reduzido e compartimentado que termina deixando muitas coisas importantes de fora. Você pode ampliar esse mundo. Nessa ordem autoimposta em que nada parece ter alternativas ou nuances, falta a compreensão de uma velha e sábia Lei Hermética que você poderá lembrar cada vez que seus caminhos, meios e esquemas de vida pareçam ser os Únicos Possíveis. Essa Lei diz:

“Todas as verdades são semiverdades; todos os paradoxos são reconciliáveis.”

Nada é perfeito quando sujeito à manifestação existencial, porém nada é absolutamente imperfeito e tudo pode ser aperfeiçoado.

Ao se dar conta de que essa Unidade da qual sua máscara é um fraco e limitado reflexo está presente Em Todas as Coisas e não somente em algumas, quando percebe que essa Unidade pode assumir muitos rostos, quando o Perfeito se compreende como uma dinâmica sem os limites de seu “território”, quando o Perfeito pode ser enxergado nos
outros modos de expressão da realidade, em outros modos e maneiras de ver, fazer, sentir e viver, então a Serenidade, o “Ser na Unidade” surge e começa a substituir a Raiva da sua rígida máscara. O mundo se amplia, as possibilidades se multiplicam. Agora, tudo se torna possível. Tudo se torna dinâmico, cheio de nuances e possibilidades insuspeitáveis (...)

A serenidade produz o equilíbrio, a equanimidade e a humildade necessários para a grande reconciliação dos opostos.

Cultivar a tolerância, a esperança... não colocar todas as coisas dentro de um formato.
Deixar as coisas e as pessoas serem como são, sem querer mudar nada e ninguém. Tentar ver o outro lado da questão – em todas as questões – e ter a certeza que ‘o frio pode ser quente’ num outro nível...

“Sê como o Oceano, que recebe todos os rios e torrentes. A poderosa serenidade do mar permanece inalterável, sem senti-los...”

(fragmento do livro Eneagrama - um caminho para seu sucesso pessoal e profissional. Khristian Paterhan Condes)
Enneagram Coaching 360º

Quando você começa a se amar não poderá abandonar-se...


Quando você começa a se amar não poderá abandonar-se, nem será mais
capaz de protelar ou de esquecer o que é importante e necessário para sua
realização integral.
Amar implica lembrança. Ao amar a si mesmo, positivamente falando,
o “Esquecimento de Si Mesmo diminui”.
Você não poderá sentir “preguiça” de fazer o que é necessário para seu
bem-estar e realização. Então, evitará as questões insignificantes e secundárias,
estabelecerá rotinas adequadas de trabalho e aprenderá a trabalhar em
função de metas verdadeiras. Evitará trabalhar sob pressão e será
persistente na tarefa de atingir seus objetivos reais.
Naturalmente, isso é Reta Ação. Aprenda a amar a si mesmo e com certeza
essa bonomia, essa capacidade de ser amigo de todos será ainda maior e
mais positiva.A Reta Ação é o remédio contra a “doença do amanhã” .
(fragmento do livro Eneagrama - um caminho para seu sucesso pessoal e profissional.
Khristian Paterhan Condes)
#Enneagram Coaching 360º

sábado, 6 de maio de 2017

Sua Empresa já sorriu hoje?


Estive a dinamizar, na terça-feira, uma sessão de Terapia do Riso na Semana da Saúde da Bosch - Ovar. O tema foi "as equipas de sucesso".
Foi espectacular! 


 Receber este feedback faz sorrir a qualquer um: 

Bom dia Eveline,

Acabamos de receber o feedback da BOSCH relativamente às atividades do Riso do dia 02/05. A sua intervenção foi uma vez mais um sucesso e os trabalhadores gostaram muito!

Muito obrigada pela sua colaboração, disponibilidade, simpatia e excelente profissionalismo. :-)

Com os Melhores Cumprimentos, MEDI-T


terça-feira, 14 de março de 2017


Através do humor e do riso conseguimos gerar um estado de bem-estar mesmo diante das adversidades e de eventos que geram stress negativo e, com o otimismo, mobilizamos a nossa energia para a “reflexão-ação” em busca de novas soluções e melhores resultados no futuro. 

Eveline Cunha


sábado, 11 de março de 2017


Um convite à ação e à oportunidade de ser Feliz!
Esta sessão tem como objetivo desenvolver a atitude positiva, a inteligência emocional e o desenvolvimento pessoal através da vivência em grupo de momentos de alegria, de boa disposição, do convívio sadio e da prática da Terapia do Riso. 

A metodologia centra-se na utilização de mediadores como: música, dança, Yoga do Riso, dinâmicas de grupo, jogos, relaxamento, como facilitadores do desenrolar lúdico e positivo das sessões.